NoticiasPolícia

Professores da Rede Municipal passam por capacitação para aprenderem como ajudar estudantes vítimas de violência


Algumas crianças podem até falar que não gostam de estudar, mas todos nós sabemos que a maioria dos estudantes se sentem protegidos e acolhidos no ambiente escolar. Aliás, muitos estudantes costumam buscar auxílio e acolhimento de professores e servidores em momentos de perigo e dificuldade.

Por isso, a Secretaria de Educação, o Ministério Público e o Poder Judiciário se uniram para promover uma capacitação para os professores da Rede Municipal de Educação, para que esses profissionais saibam como lidar e ajudar estudantes que foram vítimas de violência ou tiveram alguns dos seus direitos violados.

Essa capacitação ocorreu por meio de uma palestra realizada no Fun Rotary e ministrada pela psicóloga Ana Carla Ferreira Silveira.

Durante a palestra, Ana Carla usou toda a sua experiência de anos à frente do projeto Acolher em Frutal para orientar os professores sobre como eles devem fazer a abordagem dessas situações sem provocar a revitimização dos estudantes.

A psicóloga falou sobre o depoimento especial e a escuta especializada, duas ferramentas fundamentais para serem usadas em casos de violência. “Sabemos que casos de violência geram uma certa curiosidade, um burburinho, mas é preciso saber como abordar, como conversar, como acolher essa criança para que o trauma dela não seja ainda maior”.

Já o Juiz da 2ª Vara Criminal e da Vara da Criança e do Adolescente de Frutal, Thales Cazonato, destaca que a cidade teve uma franca evolução no combate à violência contra a criança e ao adolescente. “Hoje, a cidade conta com uma Delegacia Especializada, com o CRAM e com outras entidades que prestam o serviço, tanto de acolhimento dessa vítima como órgãos responsáveis pela investigação desses casos quanto de punição dos agressores”.

O Promotor de Justiça, Roberto Carlos Alves de Oliveira, ressalta que o ambiente escolar é um local onde costumam ocorrer a descoberta de muitos casos de violência contra crianças e adolescentes. “Isso acontece porque as crianças se sentem seguras e protegidas ali. Por isso, precisamos capacitar e implantar ferramentas que tornem esse primeiro atendimento mais humanizado e célere e também para que toda a rede de proteção tome conhecimento o mais rapidamente possível sobre esse caso”.

O Secretário de Educação, Marco Antonio Gaioso de Queiroz, disse que a intenção é tornar as escolas e cemeis municipais ambientes mais acolhedores e seguros para os estudantes. “Por isso, achamos essencial promover essa capacitação. É claro que não desejamos que nenhum estudante seja vítima de violência, mas é importante que esse aluno saiba que em caso de necessidade, ele pode contar com o amparo e o acolhimento especializado da comunidade escolar”, finalizou.

Comments

comments

rdportari

Jornalista, professor universitário, Dr. em Comunicação

%d blogueiros gostam disto: